Empresário por vocação?

Compartilhe nas redes!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Talvez nunca antes na história desse país tantas pessoas buscaram o empreendedorismo. Seja por incentivos públicos, modismos replicados pela mídia ou apenas a velha vontade ter o próprio negócio, o fato é que, em 2013, 71% dos novos empreendedores abriram suas empresas devido a oportunidades que surgiram.

Contudo, independente da razão, a grande maioria destes empresários ingressa no mundo dos negócios sem qualquer preparo. “E o nível de complexidade exigido para se ter uma empresa hoje em dia, transformar faturamento em lucro, e principalmente em caixa, não permite mais contar com a sorte ou insistir no amadorismo e improviso”, alerta Ronaldo Dias, diretor da Brasil Price.

Dados

Uma pesquisa realizada pela comunidade online de pesquisa, ConectAí, do Ibope Inteligência, mostra que 86% dos entrevistados empreenderam às cegas. E 82% afirmaram que aprenderem a gerenciar uma empresa na prática, mesmo. Entre o público da pesquisa estavam pessoas que já tem, pretendem ter ou já tiveram ou negócio.

Calcanhar de Aquiles: gestão

Ronaldo chama atenção para outra revelação da pesquisa. Entre os empresários entrevistados que já fecharam as portas, 60% não fizeram qualquer qualificação em gestão. “E mesmo com as devidas capacitações, ainda há riscos de naufragar porque há as inúmeras variantes do mercado”, conta Dias.

Famigerados tributos (e a CLT)

Outro importante fator que assusta e derruba muitos empresários é a complexidade dos universos burocrático e tributário. Mesmo com a obrigação de ter um escritório contábil cuidando das contas, “é primordial entender um pouco do assunto para que o empresário procure como potencializar as estratégias de venda, competitividade e lucratividade”, informa Ronaldo.

Já o conhecimento mínimo da Consolidação das Leis Trabalhistas é imprescindível, já que lidar com colaboradores demanda o cumprimento irrestrito das normas. “Não adianta ficar com raiva e simplesmente mandar o funcionário embora alegando justa causa”, salienta o contador.

Os motivos

A pesquisa também mostra que entre as empresas em atividade, 47% dos dirigentes afirmaram que iniciaram o negócio calculando sozinhos a viabilidade. 28% buscaram informações na internet; 22% utilizaram-se de consultorias especializadas; e 19% admitiram que seguiram o conselho de amigos e familiares.

Bote na balança!

Ronaldo aconselha os aspirantes a empresários a olharem com mais seriedade para o planejamento da empresa. “Primeiro é preciso escolher bem o contador. Não se pode buscar este tipo de profissional levando em conta apenas o valor dos serviços”, afirma. “Já tivemos vários casos de empresários que chegaram até nós, após três ou cinco anos de mercado, com multas altíssimas por falta de orientação ou procedimento inadequado”.

E a criatividade precisa ser vista com muitas reservas neste universo, principalmente no campo burocrático. “Mesmo que o empreendedor ache que não há dúvidas do que fazer, deve pelo menos consultar seu contador antes de decisões importantes. Com documentos eletrônicos, se algo foi feito errado, não há mais como voltar atrás”, finaliza o contador

Fonte: DCI e Estadão (Economia)

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Posts Relacionados

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Recomendado só para você
Inadmissível! Foi assim que o juiz substituto Cláudio Antônio Freitas…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top
Open chat