Manutenção do adicional de 10% ao FGTS

Compartilhe nas redes!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Na demissão sem justa causa de um empregado, além da obrigação de pagamento da multa, também deve ser recolhido o equivalente a 10% de todos os depósitos devidos referentes ao FGTS. Trata-se de contribuição social criada pela Lei Complementar nº 110, de 2001. É mais um custo, que penaliza as empresas em período de baixo crescimento econômico e que desestimula novas contratações no caso de retomada do crescimento, por gerar receio da despesa extra se demissões vierem a ser necessárias no futuro.

Contudo, é discutível a persistência de tal contribuição atualmente. Ela foi criada em razão de o Supremo Tribunal Federal (STF) ter decidido, há cerca de 15 anos, que as contas vinculadas ao FGTS haviam sido corrigidas a menor quando dos Planos Verão e Collor, o que levou ao reconhecimento de passivo bilionário e a desequilíbrio patrimonial no FGTS. Seguiu-se uma grande negociação que resultou na referida LC 110/2001, oferecendo aos correntistas do FGTS a correção automática dos saldos de suas contas. Como contrapartida, foram criadas duas contribuições sociais, com a finalidade de recuperar o patrimônio do FGTS.

Essa finalidade das contribuições é identificada a partir do contexto em que a LC 110 foi aprovada, da Exposição de Motivos do Projeto que a originou e da interpretação sistemática de seus vários dispositivos. O STF concluiu desse modo ao julgar a constitucionalidade original da LC 110, quando foi expresso em afirmar que a contribuição se destinava “(…) ao Fundo para fazer frente à atualização monetária, eliminados os expurgos dos Planos Econômicos em causa, dos saldos das contas vinculadas a ele, (…)” (ADI-MC 2.556 – esse entendimento foi reafirmado no julgamento do mérito).

É mais um custo, que penaliza as empresas em período de baixo crescimento econômico e desestimula novas contratações

Ocorre que esse objetivo já foi alcançado. Em primeiro lugar, a própria LC determinava o crédito em conta da última parcela em 2007. Além disso, as demonstrações financeiras do FGTS atestam que a partir desse ano seu patrimônio tinha plenas condições de arcar com o pagamento de todas as contas devidamente corrigidas. Portaria da Sec. do Tesouro Nacional, de 2012, confirma esse fato, ao ter ordenado à Caixa Econômica Federal o recolhimento do produto da arrecadação à Conta Única do Tesouro Nacional, demonstrando a desnecessidade dos recursos. Por fim, a própria Presidência da República reconheceu, em documento público, que os recursos da contribuição estão sendo utilizados em outros fins (programa “Minha Casa, Minha Vida” e investimentos variados do Fundo de Investimento do FGTS) .

Ora, se a contribuição é “(…) nitidamente caracterizada pela prévia escolha da destinação específica do produto arrecadado” (ADI 2.556), segue-se que, tendo sido alcançada sua finalidade, ela não mais se justifica, deixou de vigorar e sua exigência atual contraria a Constituição e a própria LC 110. Com efeito, contribuição desvinculada de sua finalidade é uma contradição em termos, é um imposto travestido de contribuição.

Bem por isso, nos últimos meses, várias empresas têm ingressado com ações judiciais para questionar a atual exigência da contribuição. Muitas têm obtido liminares e antecipações de tutela que, em sua maioria, têm sido confirmadas em análises preliminares em segunda instância, já tendo sido proferidas algumas sentenças favoráveis.

A Procuradoria da Fazenda tem apresentado, basicamente, dois argumentos para sustentar a persistência da contribuição do artigo 1º da LC 110.

De um lado, alega que a finalidade da contribuição não seria apenas a de suprir o FGTS de recursos para arcar com o passivo derivado da aplicação da correção monetária. O objetivo seria simplesmente o de carrear recursos ao FGTS, para utilização em suas variadas atividades. Essa linha de argumento, porém, contraria frontalmente a decisão do STF no mérito da ADI 2.556, quando foi afirmado: “A contribuição em exame não se confunde com a contribuição devida ao FGTS, em razão da diferente destinação do produto arrecadado”.

De outro lado, a PFN alega que, contrariamente à contribuição do artigo 2º da LC, a do artigo 1º não estabelecia um prazo definido. Entretanto, é compreensível que a LC não o tenha feito. Quando da sua aprovação não se tinha certeza do montante do passivo e nem de quanto seria arrecadado (até porque a contribuição depende de que ocorra a demissão para sua incidência). Nessa situação, seria temerário estabelecer um prazo de vigência definido e eventualmente enfrentar mais à frente a insuficiência de recursos. Ademais, prazo indefinido não significa ausência de prazo, bem ao inverso, ele existe, que é aquele estritamente suficiente para que a contribuição alcance sua finalidade.

As alegações da Fazenda Nacional, portanto, a nosso ver improcedem. Por fim, cabe observar que este tema é objeto de novas ADIs no STF, agora sob relatoria do ministro Roberto Barroso. Não é recomendável, porém, aguardar o julgamento delas. As ADIs podem ser tidas por improcedentes, por exemplo, afirmando-se a inadequação desse tipo de ação, por envolverem temas estranhos a uma ADI, como a análise da vigência atual da contribuição e da constitucionalidade da exigência de recolhimento (não da própria LC). Nesse meio tempo, um longo prazo poderá ter passado, decaindo-se o direito a receber de volta parte dos valores recolhidos desnecessariamente.

Jimir Doniak Jr é advogado em São Paulo, sócio de Cais, Doniak, Rangel Ribeiro e Matta Nepomuceno Advogados, conselheiro do Carf

Este artigo reflete as opiniões do autor, e não do jornal Valor Econômico. O jornal não se responsabiliza e nem pode ser responsabilizado pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso dessas informações.

Fonte: Valor Econômico

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Posts Relacionados

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Recomendado só para você
Os funcionários dos Correios paralisaram os serviços nesta quarta-feira, 17,…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top
Open chat